Como está a saúde integral do trabalhador brasileiro?


Uma pesquisa sobre a saúde dos colaboradores das empresas brasileiras, divulgada em março de 2021, apontou altos percentuais de trabalhadores com problemas financeiros, obesidade, depressão e abuso de álcool.

O estudo realizado pela healthtech HSPW, que acompanha a saúde integral dos colaboradores em diversas empresas, recolheu dados de 1.000 colaboradores inscritos na plataforma da empresa com o objetivo de avaliar questões de saúde física, mental, financeira e organizacional.

Os dados, levantados por meio de questionários online, apontaram que 53% dos colaboradores apresentam problemas financeiros; 33% têm obesidade; 7% têm depressão; 7% abusam do álcool e 1,4% têm ideação suicida.

Veja a seguir mais detalhes sobre os resultados dessa pesquisa.

saúde integral do trabalhador

Problemas financeiros e seu impacto na saúde

Segundo os dados levantados pela HSPW, mais da metade (53%) dos colaboradores entrevistados disseram estar passando por problemas financeiros.

Essa questão foi incluída na pesquisa, pois a condição financeira de uma pessoa tem impacto direto na sua saúde física e mental.

Para se certificar que existe mesmo essa relação, pesquisadores das universidades do Arizona e Virgínia, nos EUA, fizeram um estudo sobre o efeito negativo do descontrole financeiro nas pessoas.

Entre os 3.121 participantes da pesquisa, 82,5% relataram algum problema de saúde causado pela sua situação financeira.

A falta de saúde financeira causa regularmente:

  • Sentimento de angústia e estresse
  • Baixa qualidade de sono e cansaço
  • Pressão alta e hipertensão

O descontrole financeiro não só causa doenças, como muitas vezes também inviabiliza tratamentos médicos adequados.

Neste caso, assim como nos cuidados com a saúde física, a melhor ação é a prevenção.

Por isso, além de se preocupar em tratar as doenças causadas por problemas com as finanças pessoais, pode ser interessante para a empresa promover a educação financeira dos colaboradores.

Além de servir como uma forma indireta de prevenção de doenças, essa iniciativa pode aumentar a produtividade da equipe, além de reduzir a possibilidade de fraudes e gastos com assistência de saúde.

Obesidade e sinistralidade

A obesidade foi um problema relatado por 33% dos trabalhadores entrevistados pela pesquisa da HSPW. Essa condição é uma das principais responsáveis pelo aumento na sinistralidade dos planos de saúde, estando entre as maiores causas de consultas, internações e exames.

Segundo dados do Ministério da Saúde, o número de brasileiros obesos cresceu quase 68% em dez anos. Isso demonstra a importância das empresas tomarem medidas para combater a obesidade, seja no âmbito pessoal ou profissional.

Pessoas com obesidade têm mais riscos de desenvolver:

  • Doenças do sono
  • Câncer, diabetes e doenças cardiovasculares
  • Doenças nos músculos e ossos
  • Depressão e ansiedade

O fato de uma pessoa ser obesa tende a trazer uma série de malefícios para a saúde integral ao longo do tempo. Nesse sentido, investir em prevenção resulta em colaboradores saudáveis, felizes e mais produtivos.

Por isso, mesmo que a mudança de hábito dependa de uma decisão individual do colaborador, as empresas podem (e devem) ajudar a promover um estilo de vida mais saudável entre os membros da sua equipe.

Depressão e o seu custo para as empresas

Além de ser uma das principais causas de afastamento do trabalho, a depressão gera muitos custos para as empresas, principalmente elevando a sinistralidade dos planos de saúde.

Um estudo realizado em 2016 pela London School of Economics and Political Science apontou que a depressão custa às empresas brasileiras mais de R$ 78 bilhões anuais, decorrentes da perda de produtividade causada por presenteísmo e absenteísmo.

Pessoas com depressão costumam apresentar:

  • Efeitos negativos na saúde física
  • Transtornos alimentares e abuso de álcool
  • Baixas no sistema imunológico
  • Riscos de doenças cardíacas
  • Dificuldade para se concentrar, levando a produzir menos
  • Risco de suicídio

Diante de tantos problemas que a doença pode gerar, investir em ações para a prevenção da depressão entre os colaboradores é a melhor forma de reduzir esses custos e garantir a saúde mental da equipe.

Lembre-se: apesar de ser uma doença “silenciosa”, a depressão ainda assim apresenta sinais e pode ser curada se for identificada precocemente.

Abuso de álcool

O alcoolismo pode gerar danos irreversíveis para a saúde física e mental de um indivíduo, ocasionando na perda da sua capacidade de cumprir responsabilidades.

Em termos gerais, o uso abusivo de álcool pode ocasionar não somente prejuízos pessoais e familiares, mas também prejuízos no ambiente profissional, como diminuição na produtividad e aumento do absenteísmo (falta ao trabalho).

Pessoas com abuso de álcool costumam ter problemas como:

  • Efeitos negativos na saúde física
  • Comprometimento motor e perda de reflexos
  • Riscos de doenças cardíacas, câncer e depressão
  • Perda da qualidade do sono e cansaço

Todos os fatores acima causam queda na produtividade do colaborador, além de aumentar os riscos de erros e acidentes de trabalho. De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), entre 20% e 25% dos acidentes de trabalho no mundo envolvem pessoas que estavam sob o efeito do álcool ou outras drogas.

Diante disso, encaminhar os trabalhadores com uso problemático de álcool aos serviços de saúde é de suma importância.

Mas as empresas precisam ir além, desenvolvendo programas preventivos para quem ainda não desenvolveu um transtorno relacionado ao uso de álcool, porém já apresenta problemas decorrentes do uso da substância.

Ideação suicida

Um dado final, que também deve preocupar os gestores de saúde nas empresas, é o fato de que 14 em cada 1.000 colaboradores pesquisados pela HSPW apresentam algum tipo de ideação suicida.

Pessoas com ideação suicida têm risco de morte imediata.

Por isso, também é importante pensar em ações e campanhas para a prevenção do suicídio entre os membros da equipe, lembrando que as ideações suicidas podem ter origem em problemas de relacionamento, dificuldades financeiras, perturbações mentais e outros fatores de risco. Prevenir esses fatores de acontecerem pode salvar vidas.

A necessidade de investir em medicina preventiva

Os resultados da pesquisa divulgada pela HSPW mostram que as empresas brasileiras não podem abrir mão de investir em ações de prevenção de doenças e promoção da saúde.

Seja por meio de um convênio com operadoras de plano de saúde ou pela criação de um departamento específico para cuidar da saúde integral dos colaboradores, o importante é desenvolver ações e programas para implantar definitivamente o conceito de medicina preventiva na sua empresa.

O que você está esperando? A saúde dos seus colaboradores e a produtividade da sua empresa dependem disso!

programa de medicina preventiva

Entre em contato

Solicite uma demonstração ou deixe sua mensagem

Ficou com dúvida sobre o Previva?