Como a Unimed Três Rios pretende aumentar sua nota no IDSS usando um software de medicina preventiva


O início de 2018 marcou uma nova fase para a estratégia de medicina preventiva da Unimed Três Rios, operadora de saúde que atende no interior do Rio de Janeiro e gerencia uma carteira com cerca de 15 mil vidas.

Depois de terminar 2017 com a segunda maior nota no IDSS (Índice de Desempenho da Saúde Suplementar) entre todas as Unimeds do estado, em janeiro a operadora teve dois programas de prevenção e promoção da saúde aprovados pela ANS.

nota no IDSS - Unimed Três Rios

Com a validação dos Programas de Rastreamento e Detecção Precoce de Neoplasia Mamária e Prostática, agora a Unimed Três Rios deve obter as bonificações conferidas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Entre elas estão a redução da exigência mensal de margem de solvência em até 10%, o incremento da sua nota no IDSS e a bonificação do Monitoramento Assistencial.

“A gente faz um trabalho muito intenso para que nosso IDSS seja sempre bom, pois essa é a nota que a sociedade tem como referência para as operadoras de saúde”, observa Marcio de Mello Pereira, gerente administrativo da Unimed Três Rios. “Com essa bonificação esperamos melhorar ainda mais a nossa nota e reforçar nossa posição entre as Unimeds com maior IDSS no Estado do Rio de Janeiro”.

Desde 2009, a Unimed Três Rios realiza ações voltadas para a prevenção do câncer de mama e do câncer de próstata. “Mas até então era uma coisa pontual, feita apenas uma vez por ano durante o Outubro Rosa e o Novembro Azul”, lembra Marcio. “Essa é a primeira vez que conseguimos oferecer programas com mais continuidade para estes públicos, com a aprovação da ANS”.

Da planilha para um sistema de gestão

Segundo o gerente administrativo da Unimed Três Rios, somente depois da adoção de um sistema especializado em gestão de medicina preventiva foi possível estruturar estes programas de acordo com as exigências da Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Até meados de 2017 a operadora ainda mantinha um controle manual das ações de Promoprev, que se resumiam a dois envios anuais de cartas com conteúdo informativo para beneficiários do sexo masculino e feminino na faixa etária de 50 a 69 anos. A condição para receber a carta era não ter realizado mamografia (no caso das mulheres) ou exame de PSA (no caso dos homens) nos últimos 24 meses .

“Contudo, não havia até então dados que nos permitissem gerar indicadores de resultados dessas ações, o que tornava inviável mensurar o verdadeiro impacto e alcance das campanhas”, conta Marcio.

nota no IDSS | Fachada no NAS Unimed Três Rios
O Núcleo de Atenção à Saúde, no Espaço Viver Bem da Unimed Três Rios

O movimento na direção da automação dos processos começou em janeiro de 2017, quando a operadora criou o Núcleo de Atenção à Saúde (NAS), com o objetivo de transformar aquelas ações pontuais em programas de promoção e prevenção. “Contratamos uma equipe para isso: assistente social, administrativo e médico. Justamente para focar no acompanhamento da carteira, identificando os crônicos e atuando junto a esses pacientes”, diz Marcio.

“Precisávamos ampliar o alcance e os resultados daquilo que já estava sendo feito. Ou seja: reformular a estrutura das campanhas para não apenas sensibilizar os beneficiários, mas também fomentar a produção de metas e informações a partir de uma maior variedade de indicadores”.
Marcio de Mello Pereira, gerente administrativo da Unimed Três Rios

A partir da instalação do NAS, a equipe da Unimed Três Rios começou a estudar o melhor formato para transformar aquelas ações pontuais em verdadeiros programas de prevenção e promoção da saúde.

Em julho de 2017, a partir de uma indicação da Federação Unimed Rio, eles foram conhecer a experiência da Unimed Campos, que estava trabalhando com um modelo semelhante de Promoprev.

“Foi quando conhecemos o software de gestão Previva”, lembra Marcio. “Logo percebemos que essa seria a ferramenta que nos permitiria transformar ações pontuais em programas contínuos, capazes de acompanhar as pessoas dessas faixa de risco todos os meses, durante o ano inteiro”. A primeira impressão foi tão boa que a implantação do sistema começou logo no mês seguinte.

Utilizando o Previva na gestão de Promoprev

Além do software de gestão de crônicos e promoção da saúde, a operadora adquiriu os protocolos de dois programas: Prevenção ao Câncer de Mama e Prevenção ao Câncer de Próstata.

O processo de implantação do sistema durou de agosto até dezembro de 2017. Durante esse período, a equipe da Unimed Três Rios passou por 80h de treinamento e consultoria presencial com os técnicos do Previva. O treinamento envolveu tanto a equipe do Núcleo de Atenção à Saúde quanto o pessoal de TI da operadora.

Nota no IDSS | Equipe do NAS Unimed Três Rios
Equipe do NAS, responsável pelos programas de Promoprev

Depois de todos estarem bem familiarizados com o sistema, a Unimed Três Rios passou a utilizar o Previva para a gestão de seus Programas de Rastreamento e Detecção Precoce de Neoplasia Mamária e Prostática.

Tudo começa com a seleção de elegíveis, que é o levantamento dos beneficiários com perfil para inclusão no programa. Em seguida, é feito o contato telefônico com os elegíveis, prestando informações sobre o programa e convidando-os a participar. Em caso de aceite o beneficiário recebe uma guia autorizada para realização de mamografia digital bilateral (mulheres) ou encaminhamento para consulta ao urologista (homens).

Os resultados das mamografias são encaminhados pelos prestadores ao Núcleo de atenção à Saúde (NAS), setor responsável pela execução dos programas. Em seguida é agendado atendimento com médico ginecologista do setor que informa a beneficiária sobre o laudo e realiza os encaminhamentos necessários de acordo com cada caso.

A captação dos beneficiários do sexo masculino também se dá por convite telefônico. Em caso de aceite, os participantes devem retirar no NAS o encaminhamentos ao urologista, que será feito por meio de uma guia de referência e contrarreferência. Após a consulta, a guia do paciente é enviada ao NAS pelos consultórios.

Todo esse processo é coordenado usando o Previva.

Mas a aplicação do sistema vai além do auxílio operacional.

A importância dos indicadores para a nota no IDSS

A Unimed Três Rios começou a trabalhar efetivamente com o Previva a partir de janeiro de 2018, no mesmo mês em que teve seus programas de Promoprev aprovados pela ANS. Agora, para manter esta validação no próximo ano, é preciso monitorar uma série de indicadores e apresentar resultados concretos à agência

“É muito importante que a gente consiga responder todos os indicadores que são necessários para cumprir as exigências da ANS. E uma das principais vantagens obtidas com o uso do Previva é que ele pode nos dar todos esses indicadores”, diz o gerente administrativo da Unimed Três Rios.

“Ter um sistema capaz de trabalhar com mais flexibilidade com os indicadores de saúde nos permite estar sempre renovando os programas para buscar resultados cada vez melhores para a própria operadora. Não só em relação à ANS, mas realmente dar mais qualidade de vida para estas pessoas e com isso obter um retorno saudável para a operadora”
Marcio de Mello Pereira, gerente administrativo da Unimed Três Rios

Segundo Marcio, o Previva é a ferramenta ideal para atingir esta meta. “Nossa expectativa com o sistema é conseguir indicadores ao longo deste ano, que permitam que em 2019 a gente consiga não só a revalidação do nosso registro na ANS, como também aumentar nossa nota no IDSS, que é muito importante para a operadora de saúde.”

Flexibilidade para gerar novas ações de prevenção

Com a implantação do Previva, todos os dados de atendimento dos programas de Promoprev passaram a ser lançados no sistema e monitorados pela equipe do NAS. Além de permitir acompanhar de perto a evolução do perfil de saúde dos beneficiários, com o tempo esses dados produzirão informações relevantes para a adoção de novas ações de prevenção promoção da saúde entre os beneficiários que já participam dos programas.

Um exemplo é a Oficina de Nutrição, voltada à educação alimentar e criada com o intuito de intervir sobre os participantes que estejam com índice de massa corpórea-IMC acima do adequado, prevenindo ou reduzindo o risco do surgimento de novas patologias ou seus agravos.

As participantes foram captadas no grupo que já participa do programa de prevenção ao câncer de mama. “Elas passam por um atendimento com o médico e ele faz o acompanhamento do peso e altura. Nós lançamos esses dados no sistema e futuramente teremos como gerar estatísticas sobre a evolução da obesidade nesse público”, diz Suzana Ribeiro de Medeiros Carvalho, assistente social do Núcleo de Atenção à Saúde.

A oficina teve início na segunda quinzena de maio e o fechamento dos dados serão feitos a cada trimestre, também por meio do Previva. “É um software muito amplo, que pode trazer vários indicadores para melhorar nossa gestão”, completa Suzana.

Entre em contato

Solicite uma demonstração ou deixe sua mensagem

Ficou com dúvida sobre o Previva?