Índice de obesidade no Brasil segue crescendo mesmo com adoção de hábitos saudáveis


O índice de obesidade no Brasil cresceu alarmantes 67,8% de 2006 até 2018. Nesse período, o percentual de pessoas obesas na população das capitais passou de 11,8% para 19,8%.

Isso significa dizer que um em cada cinco brasileiros enfrenta hoje problemas com o excesso de peso.

Os dados foram divulgados em julho de 2019 pelo Ministério da Saúde e são resultado da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel Brasil).

A pesquisa foi realizada por telefone, entre fevereiro e dezembro de 2018. Foram ouvidas 52.395 pessoas maiores de 18 anos, entre moradores das 26 capitais do país mais Distrito Federal.

índice de obesidade habitos saudaveis

Índice de obesidade por cidade, faixa etária e escolaridade

Segundo os resultados do estudo, a obesidade ocorre com mais frequência na faixa etária de 55 a 64 anos e também entre as pessoas com menor escolaridade.

Contudo, a maior alta no índice de obesidade foi registrada em duas faixas etárias: de 25 a 34 anos e de 35 a 44 anos. Nesses grupos, o aumento foi de 84,2% e 81,1%, respectivamente. Bem acima dos 67,8% registrados no total da população adulta.

Entre as capitais brasileiras, a que teve o menor índice de obesidade foi São Luís, com 15,7%. Manaus, por sua vez, apresentou o maior percentual, com 23% de obesos entre a população adulta.

Quanto ao recorte por gênero, houve uma inversão dos resultados em comparação à edição anterior da pesquisa. Desta vez, a maior prevalência da obesidade foi registrada entre as mulheres, com 20,7%. Entre os homens, o índice ficou em 18,7%.

Excesso de peso atinge mais da metade dos brasileiros

A Pesquisa Vigitel também revelou dados preocupantes sobre o excesso de peso entre a população. Segundo os dados revelados em julho de 2019, essa condição afeta hoje 55,7% dos brasileiros.

Em 2006, quando a primeira edição da pesquisa foi realizada, o percentual de excesso de peso era de 42,6%. Desde então, o crescimento acumulado deste indicador foi de 30,8%.

Diferente da obesidade, o excesso de peso tem predominância entre as pessoas mais jovens, na faixa dos 18 aos 24 anos.

Entre as mulheres, o crescimento tem sido maior do que entre os homens. Desde 2006, o índice de excesso de peso entre elas aumentou 40%, enquanto o deles cresceu 21,7%.

Bons hábitos não reduzem índice de obesidade

A Pesquisa Vigitel mostrou ainda que, apesar de existir uma parcela cada vez maior de brasileiros adotando hábitos saudáveis (consumindo mais vegetais e se exercitado mais, por exemplo), outra parte da população está ficando mais obesa.

O consumo regular de frutas e hortaliças, por exemplo, aumentou em 15,5% entre 2008 e 2018. Em dez anos, o percentual de pessoas que dizem consumir vegetais passou de 20% para 23,1%.

A prática de atividades físicas no tempo livre subiu 25,7% no período, saltando de um percentual de 30,3% para 38,1% da população. Enquanto isso, a taxa de inatividade física sofreu uma queda de 13,8%.

Mesmo que a pesquisa tenha revelado uma maior conscientização sobre hábitos saudáveis, a alta quantidade de obesos no país deixa claro que ainda há muito a fazer para reduzir os efeitos dessa epidemia na população.

Para que isso ocorra, é importante que as operadoras de saúde se mantenham firmes em suas ações de medicina preventiva e na organização de programas voltados ao combate da obesidade.

Do ponto de vista do paciente com obesidade, o fato de contar com o apoio de profissionais de saúde torna mais fácil inserir novas rotinas e hábitos saudáveis no seu dia a dia.

E a sua operadora, o que está fazendo nesse sentido?

Entre em contato

Solicite uma demonstração ou deixe sua mensagem

Ficou com dúvida sobre o Previva?