O papel do fisioterapeuta na medicina preventiva em operadoras de saúde


O potencial dos profissionais de fisioterapia como promotores da saúde a nível primário é grande, porém ainda pouco explorado. A população em geral e até mesmo os próprios profissionais da saúde costumam imaginá-los atuando principalmente no processo curativo e na reabilitação de pacientes. Mas o papel do fisioterapeuta na medicina preventiva vai muito além disso.

fisioterapeuta na medicina preventiva

Como parte de uma equipe multidisciplinar dentro de uma operadora de saúde este profissional pode (e deve) participar em ações voltadas à educação, prevenção e assistência fisioterapêutica em grupo ou individualizada.

Sua atuação é muito importante em diversas circunstâncias, utilizando a fisioterapia preventiva para evitar o desenvolvimento e ou o agravamento de processos patológicos que gerariam a necessidade de atendimento a níveis mais complexos.

É claro que sua contribuição é essencial nos casos de reabilitação, seja ela motora, respiratória ou mesmo social (ou seja, a reintegração do paciente ao meio ao qual pertence). Contudo, o trabalho do fisioterapeuta na medicina preventiva também inclui promover a saúde, além de diagnosticar e tratar patologias que envolvem os diferentes sistemas orgânicos e limitam o indivíduo em suas ações cotidianas.

A fisioterapia no Brasil

A fisioterapia surgiu no Brasil em meados da década de 1950, a fim de atender os sequelados do surto de poliomielite. No início, a fisioterapia era uma ocupação de nível técnico e seus profissionais se restringiam à aplicação de técnicas para reabilitar pacientes com prescrição médica. Isso mudou em 1969, quando foi instituída como profissão de nível superior e autonomia profissional

Nos anos setenta a fisioterapia expandiu sua atuação com o avanço tecnológico e, a partir da década de 1980, começou a atuar em terapia intensiva. Nos dias atuais, a profissão está ganhando espaço em equipes de saúde, participando efetivamente tanto de ações curativas quanto preventivas.

O que faz um fisioterapeuta?

Os conhecimentos e habilidades inerentes à fisioterapia, podem ser descritos em três elementos chaves: a massagem, o exercício e a utilização de agentes eletrofísicos.

A massagem consiste no simples toque terapêutico capaz de incentivar, recrutar e facilitar o movimento funcional.

No exercício, da forma como é abordado pela fisioterapia, o movimento surge a partir de um nível micro (molecular, celular) para um macro (a pessoa no seu ambiente, na sociedade).Incorporando o conhecimento da patologia ao seu saber técnico, o fisioterapeuta busca minimizar a diferença entre a capacidade para o movimento atual da pessoa e sua capacidade desejável.

O terceiro elemento central da fisioterapia é o uso de agentes eletrofísicos para reduzir casos de dor e edemas, como complementares na realização dos movimentos terapêuticos.

O fisioterapeuta na medicina preventiva

Por ter uma área de atuação bem abrangente, o fisioterapeuta pode contribuir de diversas formas em campanhas e ações preventivas para promoção e manutenção da saúde.

Ele está apto a trabalhar em programas voltados a pacientes com doenças neurológicas, como Parkinson e esclerose múltipla; doenças ortopédicas, como artrose e gonartrose; doenças cardíacas, como infarto e cardiomegalia; doenças respiratórias, como bronquiolite e asma, entre outras.

Dessa forma, incluir o fisioterapeuta em uma equipe multidisciplinar pode ser fundamental para que se alcance os objetivos traçados para um determinado programa de Promoprev.

Formas de atuação do fisioterapeuta

As habilidades e conhecimentos de um profissional de Fisioterapia podem se encaixar em uma série de programas dentro de uma operadora de saúde. Confira a seguir algumas das funções que podem ser atribuídas ao fisioterapeuta na medicina preventiva:

Saúde da mulher: O fisioterapeuta pode atuar na prevenção de câncer, papanicolau e na promoção do autoexame das mamas, orientando quanto ao diagnóstico precoce. Realiza ainda procedimentos ou técnicas fisioterápicas para minimizar as complicações em casos de histerectomia e mastectomia, incluindo drenagem linfática como forma de tratamento. Também pode aplicar técnicas de relaxamento, prevenção e analgesia para diminuir e/ou aliviar a dor, já na presença de patologias ginecológicas.

Grupos de gestantes: O profissional pode atuar no condicionamento físico, na prescrição de exercícios respiratórios e de relaxamento, além de orientar a gestante sobre como proceder no pré e pós-parto, principalmente no que se refere à postura corporal, para que ela possa retornar às suas atividades normalmente. A eletroterapia também é indicada como mais um recurso para promover a analgesia.

Atuação no climatério: No climatério, ou seja, na mudança da fase reprodutiva para a não reprodutiva, o fisioterapeuta atua realizando programas de atividades físicas e psicossociais com o objetivo de aliviar os sintomas que surgem antes e depois da menopausa.

Grupos de idosos: A atuação do fisioterapeuta é essencial para que o idoso consiga realizar suas atividades diárias de forma independente, melhorando sua qualidade de vida e se prevenindo das complicações decorrentes da idade avançada, como quedas e fraturas. Entre as atividades que podem ser desenvolvidas estão alongamentos e atividades físicas visando a melhora do equilíbrio e da marcha, o fortalecimento da musculatura dos membros inferiores e o ganho de amplitude articular. Ressalta-se também a orientação à famílias e aos responsáveis, quanto aos cuidados com o idoso hospitalizado ou acamado.

Escola de postura: Faz parte do trabalho do fisioterapeuta orientar a população sobre os cuidados com a postura corporal, atuando na prevenção de alterações na coluna vertebral. Com esse enfoque, pode atuar em programas de Promoprev por meio de atividades em grupo e/ou palestras educativas.

Hipertensão, Diabetes, Tuberculose e Hanseníase: Em algumas patologias específicas, a participação do fisioterapeuta na medicina preventiva se dá por meio da investigação e prevenção de novos casos, principalmente entre adultos e idosos. O profissional pode prescrever atividades físicas, principalmente exercícios aeróbicos, a fim de prevenir e evitar complicações decorrentes das doenças. Além disso, pode prescrever exercícios e técnicas respiratórias para diminuir o tempo de internação hospitalar e principalmente prevenir deformidades que levam às incapacidades funcionais, como o pé diabético.

Desenvolvimento neuropsicomotor e deficiência física: Além de atuar no estímulo às crianças com atraso de DNPM, o fisioterapeuta pode também desenvolver grupos com mães de bebês, possibilitando o diagnóstico e a intervenção precoce e adequada. Assim como na questão postural, a atuação fisioterapêutica é essencial na prevenção, promoção e recuperação de deficiências físicas.

Ergonomia: Tanto em ambientes corporativos quanto na residência de pacientes em recuperação, o papel do fisioterapeuta é sugerir mudanças no espaço físico para facilitar a mobilidade e dar mais segurança (no caso de pessoas enfermas) ou então prevenir o desenvolvimento de doenças posturais causadas pela falta de ergonomia nos equipamentos de trabalho.

Por mais fisioterapia na prevenção primária

Agora que você já conhece melhor o papel do fisioterapeuta na medicina preventiva, é hora da sua operadora avaliar como está aproveitando este profissional em suas ações de Promoprev. Com a evolução da profissão e da forma com que ela é encarada pelos gestores de saúde, a fisioterapia vem ganhando cada vez mais espaço na atenção primária, tanto na rede pública quanto na privada.

E já que o assunto é atenção primária, aproveite para saber mais sobre como otimizar as ações da sua operadora no primeiro nível da medicina preventiva. Clique na imagem abaixo e baixe gratuitamente o e-book que preparamos sobre esse assunto.

atenção primária à saúde

Entre em contato

Solicite uma demonstração ou deixe sua mensagem

Ficou com dúvida sobre o Previva?