Atenção Primária à Saúde (APS): conceitos, objetivos e aplicações práticas


Ampliar a estrutura e os serviços de assistência primária à saúde (APS) é a melhor estratégia para garantir a sustentabilidade dos sistemas de saúde em todo mundo, possibilitando o atendimento das populações de modo preventivo, integrado e contínuo.

Aqui no Brasil, dentro do sistema de saúde suplementar, a assistência primária tem se mostrado uma preocupação crescente das entidades reguladoras do setor e já vem sendo adotada em peso pelas principais operadoras do mercado.

Neste artigo vamos esclarecer alguns aspectos referentes à esta modalidade de atendimento, partindo do conceito de atenção primária à saúde e de suas principais características até as possíveis aplicações práticas na saúde suplementar.

atenção primária a saúde aps

O que é atenção primária à saúde (APS)?

A atenção primária é uma forma de organizar o atendimento de saúde de forma a atender à maior parte das necessidades de uma população de forma regionalizada, contínua e sistematizada.

Isso é feito integrando ações preventivas e curativas no atendimento a indivíduos e comunidades.

A primeira definição de APS surgiu após a Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde, promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 1978. Eis o que diz o documento emitido ao final do evento, conhecido como Declaração de Alma-Ata:

“Os cuidados primários de saúde são cuidados essenciais de saúde baseados em métodos e tecnologias práticas, cientificamente bem fundamentadas e socialmente aceitáveis, colocadas ao alcance universal de indivíduos e famílias da comunidade, mediante sua plena participação e a um custo que a comunidade e o país possam manter em cada fase de seu desenvolvimento, no espírito de autoconfiança e automedicação.”

Ainda de acordo com a definição da OMS, a atenção primária representa o primeiro nível de contato com o sistema, responsável por levar os cuidados de saúde o mais próximo possível dos lugares onde pessoas vivem e trabalham.

Qual o objetivo da atenção primária em saúde?

Basicamente, a atenção primária deve funcionar como uma espécie de filtro capaz de organizar o atendimento e o fluxo dos serviços nas redes de saúde, dos mais simples aos mais complexos.

Por ser a “porta de entrada” dos usuários no sistema, a APS tem como objetivo divulgar orientações sobre a prevenção de doenças e a promoção da saúde, solucionando possíveis agravos e direcionando os casos mais graves para níveis de atendimento especializado.

Os quatro atributos da atenção primária

Segundo a professora Barbara Starfield, médica norte-americana considerada uma das principais referências mundiais no tema, existem quatro atributos básicos que devem estar presentes nos serviços de atenção primária à saúde:

1. Atenção ao primeiro contato

O que se espera da atenção primária em saúde é que ela seja o serviço de saúde mais acessível à população, em todos os sentidos. E que, por isso mesmo, seja o primeiro recurso a ser buscado a cada novo problema ou novo episódio de um problema recorrente.

Neste aspecto, é importante que os seus usuários em potencial percebam o serviço como acessível, seja no tocante à localização geográfica ou quanto aos horários de funcionamento, e isto se reflita na sua utilização.

2. Continuidade do atendimento

A continuidade do serviço de APS pressupõe a existência de uma fonte regular de atenção e o seu uso frequente ao longo do tempo. Esse atributo também é conhecido como “longitudinalidade” do atendimento.

A pessoa atendida deve manter o vínculo com o serviço para que possa ser atendida de forma mais eficiente que quando uma nova demanda surgir. Este vínculo deve se converter em fortes laços de relacionamento com o beneficiário, capazes de refletir a cooperação mútua entre as pessoas e os profissionais de saúde.

Para que isso aconteça, a unidade de atenção primária deve ser capaz de identificar a população eletiva, bem como os indivíduos dessa população que deveriam receber seu atendimento no local.

É importante se certificar de que os indivíduos identificados como usuários considerem a unidade de saúde uma fonte regular de atenção e a utilizem periodicamente. Todas as consultas devem ocorrer na unidade, exceto quando for necessário consultar um especialista ou fazer algum exame específico.

3. Integralidade do serviço

A integralidade do serviço implica que as unidades de atenção primária devem oferecer todos os tipos de serviço que lidem com sintomas, sinais e diagnósticos de doenças manifestas, mesmo que parte dos pacientes sejam posteriormente direcionados a outros níveis de atenção.

Isso inclui o encaminhamento para consultas com médicos especialistas e para o manejo definitivo de problemas específicos, bem como para serviços de suporte como a internação domiciliar.

É importante garantir que, mesmo que o paciente seja encaminhado a outras unidades, o serviço de atenção primária continue corresponsável pelo seu atendimento.

Além do vínculo com outros serviços de saúde, a atenção de nível primário pode incluir ainda a possibilidade de visitas domiciliares, reuniões com a comunidade e ações intersetoriais.

Dessa forma, a integralidade também significa a ampliação do conceito de saúde para aspectos sociais, não se limitando ao corpo puramente biológico.

4. Coordenação (integração) do cuidado

Como já mencionado no tópico anterior, mesmo quando parte do atendimento se dá em outros níveis de atenção, cabe à equipe de atenção primária organizar, coordenar e integrar esses cuidados.

Isso se deve ao fato de que esse tipo de atendimento costuma ser feito por profissionais de áreas diferentes ou terceirizados, com pouco (ou nenhum) diálogo entre si.

Por isso, a coordenação dos cuidados implica em uma alguma forma de continuidade no contato entre os profissionais ou por meio de prontuários.

Nesse contexto, é fundamental garantir que os problemas observados em consultas anteriores ou que tenham motivado encaminhamento para outros profissionais sejam constantemente avaliados.

Este reconhecimento de problemas será facilitado se o mesmo profissional examinar o paciente durante o processo de acompanhamento ou se houver um prontuário médico com todas as informações pertinentes ao atendimento.

Atenção primária e promoção da saúde

No livro Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia (que pode ser acessado aqui), a professora Starfield afirma que muitas vezes as funções da atenção primária são confundidas com as tarefas necessárias para realizá-las.

Segundo ela, a atenção primária freqüentemente é caracterizada pelo tipo de serviços que oferece dentro dos interesses de obtenção da integralidade.

Exemplos típicos desses serviços são a promoção de saúde e a prevenção de doenças em todos os níveis, além do diagnóstico e manejo de uma ampla variedade de problemas médicos.

Veja o que diz a autora sobre a relação entre atenção primária e promoção da saúde:

“Definir e medir a atenção primária pela da obtencão de suas funções cardinais resultará, pelo efeito destas funções, em uma lista de tarefas similar ou idêntica. As funções é que são cruciais, porque muitas das tarefas que fazem parte da atenção primária (por exemplo, prevenção, atenção emergencial, proteção do paciente, educação em saúde, atenção reabilitadora) são tarefas que também fazem parte de outros níveis de atenção e podem, até mesmo, ser assumidas por outros níveis de atenção (por exemplo, atividades de saúde pública) em vez de ser oferecidas nas unidades de atencäo primária.”

Equipe mínima para trabalhar com APS

Segundo as orientações da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a equipe de profissionais para atuar na atenção primária deve ter caráter multiprofissional e interdisciplinar.

Sua composição mínima envolve um médico de família e comunidade ou especialista em clínica médica com capacitação e experiência em APS, além de um enfermeiro especialista em saúde da família ou generalista e outro profissional de saúde de nível superior.

Caso a carteira de serviços de atenção básica da sua operadora inclua procedimentos, é necessário contar ainda com um segundo profissional de enfermagem com formação superior ou técnica.

Outros profissionais de saúde podem ser agregados a este time básico, incluindo como fisioterapeutas, psicólogos, nutricionistas, fonoaudiólogos, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais etc.

Tudo vai depender das condições de saúde abrangidas pela área de APS e das especificidades de cada projeto. Por exemplo, se a atenção primária na sua operadora incluir saúde bucal, então torna-se necessária a presença de um cirurgião dentista na equipe.

Atenção primária na saúde suplementar

Segundo a ANS, a implantação de redes de atenção ou linhas de cuidado em atenção primária é o caminho para que as operadoras de planos de saúde possam desenvolver um cuidado cada vez mais qualificado aos seus beneficiários.

A agência lançou recentemente o Projeto de Atenção Primária à Saúde (APS), que concede uma certificação às operadoras que cumprirem alguns requisitos pré-estabelecidos.

Vale notar que a participação nesse projeto é uma das formas de aumentar a pontuação no IDSS, o índice de desempenho da saúde suplementar mantido pela ANS.

O que a agência pretende com isso é demonstrar que investir em atenção primária é uma excelente oportunidade para as operadoras organizarem um sistema de gestão de saudáveis focado na prevenção e na promoção da saúde.

Algumas empresas estão inclusive lançando planos mais baratos no mercado, focados justamente na atenção básica. Quem adquire estes produtos deve fazer suas consultas sempre no serviço de atenção primária, que muitas vezes tem uma sede específica.

Chegando lá, o beneficiário vai ser atendido pela equipe de APS e, caso haja necessidade, será encaminhado para o atendimento com um especialista ou para fazer exames mais complexos.

Reduzindo custos assistenciais com a APS

Ao priorizar a atenção primária, os gestores das operadoras de saúde buscam aumentar o indicador de custo evitado, reduzindo o desperdício de recursos em casos que demandam apenas um atendimento de atenção básica.

Outro aspecto que mostra a importância da APS para a redução dos custos assistenciais é justamente sua função de “filtro”, possibilitando identificar entre a população atendida as pessoas mais indicadas para participar de programas de saúde.

Por isso, é fundamental que a operadora esteja devidamente equipada e organizada para fazer um levantamento do perfil de saúde da população atendida na APS.

Dessa forma é possível identificar, por exemplo, quem são os pacientes com tendência a desenvolver doenças crônicas e encaminhá-los para um programa de medicina preventiva.

Agora que você sabe por que a atenção primária deve ser uma prioridade também para a saúde suplementar, não esqueça de buscar as melhores ferramentas para facilitar a organização desse atendimento na sua operadora!

Entre em contato

Solicite uma demonstração ou deixe sua mensagem

Ficou com dúvida sobre o Previva?