Por que sua operadora deve investir em alternativas à cirurgia bariátrica


Com mais de 100 mil procedimentos realizados em 2016, o que representa um aumento de 7,5% no número de casos em comparação com o ano anterior, o sistema de saúde brasileiro está em busca de alternativas à cirurgia bariátrica para o tratamento da obesidade.

E cada vez mais estudos indicam que a boa e velha combinação de atividade física e reeducação alimentar pode ser a chave para esta questão.

alternativas à cirurgia bariátrica

Em uma pesquisa publicada em fevereiro de 2017 no periódico “BMC Obesity”, a equipe liderada pelo médico Flavio Cadegiani demonstrou que 93% dos pacientes com indicação para a cirurgia de redução de estômago envolvidos no estudo conseguiram chegar a um peso saudável sem a necessidade da intervenção.

Tal resultado foi atingido com acompanhamento psicológico, atividade física e tratamento com remédios, com o monitoramento personalizado de cada caso. Entre os 43 pacientes acompanhados pelos pesquisadores, 88,4% haviam perdido mais de 10% do peso corporal após dois anos, enquanto 74,4% perderam mais de 20%.

Cirurgia é para quem realmente precisa

Uma das observações feitas por Cadegiani na publicação, é que atualmente no Brasil não se seguem todas as recomendações das diversas sociedades médicas que se dedicam ao assunto, e muitas etapas deixam de ser cumpridas nesse processo.

Uma dessas recomendações é de que o paciente tente combater a obesidade com métodos clínicos e multidisciplinares por dois anos antes de ser indicado para uma redução de estômago. Segundo o médico, o problema não é o procedimento em si, mas sim a banalização da cirurgia bariátrica que está ocorrendo.

Para os pacientes com real necessidade, a intervenção cirúrgica melhora consideravelmente os parâmetros metabólicos e reduz os riscos cardiovasculares e cancerígenos. Mas, segundo o pesquisador, a combinação de tratamento farmacológico com a mudança de hábitos pode ser a abordagem mais indicada na maioria dos casos.

O custo da cirurgia bariátrica para os planos de saúde

Para as operadoras de saúde, os custos que envolvem a cirurgia de redução de estômago são muito maiores do que os recursos investidos em uma abordagem voltada à medicina preventiva. Além dos custos do procedimento em si, há ainda o risco de complicações pós-operatórias, seja de ordem psiquiátrica ou nutricional.

Decisões recentes do Poder Judiciário têm reforçado o entendimento de que pacientes que realizaram cirurgia bariátrica por um plano de saúde também têm o direito a realizar cirurgias plásticas reparadoras complementares, desde que comprovem a necessidade baseada em laudos médicos e psicológico

Para o presidente da Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge-PR/SC), Cadri Massuda, apesar de muitas operadoras adotarem certos protocolos para aprovar a realização da cirurgia, os pacientes estão cada vez mais recorrendo ao SUS ou a clínicas particulares para não precisar se submeter a estas

Em artigo de junho de 2016 ele já alertava para os casos em que a pessoa consegue realizar o procedimento pelo SUS e esse custo acaba voltando ao plano de saúde, que deverá ressarci-lo. Segundo a presidente da Abramge, quem faz a cirurgia particular também acaba pedindo o reembolso, alegando que o médico operou porque havia necessidade.

Ofereça alternativas à cirurgia bariátrica

Além de oferecer as coberturas exigidas por lei para os pacientes que solicitam a redução de estômago, as operadoras de saúde também costumam promover programas pré-cirurgia, com o objetivo conscientizar o paciente e garantir o sucesso do tratamento.

Mas o principal objetivo de uma abordagem baseada na medicina preventiva é evitar que a situação do paciente chegue ao ponto de ser necessária a intervenção.

Por isso, é essencial oferecer ao paciente obeso alternativas à cirurgia bariátrica. E a melhor maneira de fazer isso é organizando programas com característica multidisciplinar, incluindo a participação de psiquiatras, nutricionistas e assistentes sociais, além de encontros mensais em grupos de apoio.

Estas ações devem ser direcionadas e adaptadas a diferentes perfis de beneficiários, tentando atingir três objetivos:

  1. Prevenir o desenvolvimento de novos casos de obesidade
  2. Impedir o agravamento do quadro dos pacientes já obesos
  3. Efetivamente ajudar o paciente a reduzir sua massa corporal

 

Portanto, se sua operadora está preocupada com o crescimento no número de pessoas buscando a redução de estômago e deseja oferecer alternativas à cirurgia bariátrica, a melhor maneira é investir na medicina preventiva de forma a reduzir os casos de obesidade entre seus beneficiários.

Neste e-book, sugerimos alguns modelos que podem ajudá-lo a desenvolver seu próprio programa, adaptado às necessidades e ao público da sua operadora. Clique na imagem abaixo e faça o download gratuito:

obesidade

Entre em contato

Solicite uma demonstração ou deixe sua mensagem

Ficou com dúvida sobre o Previva?